Análise do Dom Profético Manifestado na Sra. Daisy Escalante

Introdução

A Igreja Adventista do Sétimo Dia reconhece que os dons espirituais, incluindo o da profecia, continuarão a operar para o benefício do povo de Deus até o retorno de Cristo . Isso nos leva a ver que o dom profético, no que diz respeito à sua manifestação, não terminou e que, como Igreja, acreditamos que ele continua e continuará a se manifestar no meio de seu povo até o dia de sua vinda. Isto porque, como os outros dons que o Espírito dispensa, abre a Igreja de Cristo para a perfeição dos santos, a edificação do corpo de Cristo e a unidade de fé e conhecimento do Filho de Deus (Efésios 4:11-13), de tal forma que os membros da igreja estejam fundamentados no conhecimento da doutrina e sejam prevenidos do erro (Efésios 4:14). No entanto, tanto o Antigo Testamento como o Novo Testamento nos adverte a realidade dos falsos profetas, expressando e enfatizando o primeiro testamento sobre a realidade dos meios óbvios de engano que eles usarão, e o segundo testamento estabelecendo uma inabalável forma de exercer um escrutínio na prova, dado as implicações que eles poderiam ter sobre o rebanho, a estimada Igreja de Deus. Em uma jornada canônica, é o registro do Antigo Testamento, através do profeta Jeremias, que talvez, como nenhum outro, avisa seu povo sobre os profetas que, através dos sonhos, os enganam (Jeremias 29: 8). E é este mesmo profeta que nos adverte que Deus “ouviu o que aqueles profetas disseram, profetizando mentiras em meu nome, dizendo: Eu sonhei, eu sonhei” (Jeremias 23:25) . Dadas estas advertências onde o próprio Deus deixa claro que ele é ” contra os que profetizam sonhos mentirosos, os contam, e fazem errar o seu povo com as suas mentiras e com as suas leviandades”, pois Ele não os enviou, nem lhes deu ordem; e não trazem proveito algum a seu povo, (Jeremias 23:32), podemos observar a importância do escrutínio que o Novo Testamento registra, em seu complemento e extensão, nos convida a fazer da manifestação do dom profético. É o registro do Novo Testamento, começando com o maior profeta que o mundo já conheceu, Jesus (Deuteronômio 18:18), e concluindo com o ensinamento dos apóstolos, onde achamos prescrita a importância do peso da prova como salvaguarda do erro e da perda de fé de alguns conglomerados de seguidores que esses videntes atraíram sobre suas pessoas. Desde que o próprio Jesus nos alertou sobre a presença de “falsos profetas” que viriam até nós com “roupas de ovelhas” (Mateus 7: 15-16) e porque o apóstolo Paulo, pela visão profética de que seriam os seus tempos e o sucessivo, nos advertiu da entrada “entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho.” (Atos 20:29), estabelecendo claramente que “dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles.” (Atos 20:30); e porque João, o discípulo amado, nos incita a “provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.” (1 João 4:1), é que faríamos bem em examinar cuidadosamente qualquer manifestação contemporânea desse dom no meio de nossa Igreja . Este último porque os supervisores da Igreja de Deus foram estabelecidos pelo Espírito Santo para vigiar e trabalhar para o bem do rebanho. É o corpo de supervisores a quem as Escrituras impõem a sagrada responsabilidade de alimentar e instruir corretamente a igreja do Senhor, porque ela foi comprada a um custo muito alto: o sangue de Cristo (Atos 20:28).

O Dom da Profecia no Remanescente Histórico

O dom da profecia, ao contrário de outros dons, foi escolhido pelo próprio Deus como um sinal identificador da igreja remanescente e porque Satanás tem uma guerra contra ela (Apocalipse 12:17), através da qual ele procura destruí-la. Não é de se surpreender que ele busque constantemente autenticar como uma falsificação legítima desse dom na contemporaneidade, a fim de alcançar a dissensão, a desunião e sua tão esperada destruição do remanescente histórico do tempo do fim. No contexto desse remanescente, tornamo-nos testemunhas da estratégia de destruição para o mesmo que foi seguida pelo inimigo, no que foi a manifestação sobreposta do dom profético em duas mulheres que atribuíram isso a Ellen White e outra, logo após sua morte. É assim que a história mais conhecida e patente confirma o surgimento de pseudo manifestações do dom profético nas pessoas de Anna Barbara Garmire e Anna C. Phillips contemporâneas e concorrentes ao dom profético manifestado em Ellen White e manifestações sucessivas na pessoa de Margaret W. Rowen. Na época Ellen White permaneceu em silêncio para reafirmar ou negar o mesmo, devido à sua recente morte. No entanto, apesar dos dois primeiros casos citados acima, da suposta manifestação do dom profético ser o mais conhecido, eles não são os únicos que estavam presentes no tempo de Ellen White. É por isso que um estudo cuidadoso dos escritos de Ellen White nos revelará alguns casos de supostos recebimentos de visões de Deus, que supostamente receberam Seu conselho e advertência, mas em menor grau e em menor número de escritos. A primeira delas é uma mulher com o nome de Phoebe Knapp, que, no início do ministério de Ellen White, embora ainda conservasse o sobrenome Harmon, afirmou ter visões . Posteriormente, na década de 1860, outra mulher, chamada Myrta Steward, esposa do Pastor Steward, também fez a mesma afirmação de receber visões de Deus . Em esta categoria também inclui Heldge T. Nelson em 1900 e 1901 , bem como uma irmã que Ellen White não identifica pelo nome e que, em 1905, escreveu uma carta respondendo a uma pergunta sobre a atitude que se deveria ter em relação ao trabalho dessa irmã na Alemanha, que fingiu ter visões . Outro vidente contemporâneo de Ellen White, que afirmou possuir o dom profético, é apresentado pelo caso de Ralph Mackin e sua esposa, o primeiro dos quais, aludindo a segunda, afirmou que “O Espírito opera através dela, e acreditamos que isso é o espírito de profecia a ser derramado sobre toda a carne . Em 1912, três anos antes da morte de Ellen White, seu filho Willy White, respondendo a uma carta sobre um possível sucessor do dom profético na Igreja Adventista do Sétimo Dia, escreveu sobre cerca de oito outras pessoas, mantidas anônimas, que afirmavam possuir a dom profético. Ele nos diz o seguinte: Você pode estar interessado em saber que, nos últimos cinco anos, mamãe recebeu cinco ou oito cartas de pessoas que sentem … que Deus colocou sobre eles o Espírito de Profecia e que Ele instruirá a irmã White a testemunhar em seu favor. Para todos eles, mamãe foi obrigada a enviar a mesma resposta, que Deus não lhe deu nenhuma instrução sobre seus chamados para um trabalho especial… Às vezes nossos irmãos perguntam à mamãe quem vai arcar com o fardo do trabalho especial que Deus lhe deu depois de sua morte e ela diz que ela não sabe. Deus nunca revelou isso a ela, e ela não tem nenhuma preocupação em relação a esse assunto, porque Deus é plenamente capaz de instruir Seus servos e lidar com Sua obra de acordo com Sua infinita sabedoria e propósito. Esta carta nos mostra um aspecto interessante que talvez pouco tenhamos considerado, mas que se torna de acordo com a estratégia do inimigo de destruir o remanescente, ou seja, perto da morte da profetiza autorizada por Deus, para despertar uma proliferação, como nunca antes, do dom profético. É interessante notar que todos eles foram descartados pela própria Ellen White. Após a morte de Ellen White em 1915, além do caso mais conhecido de Margaret Rowen, temos o caso de Victor T. Houteff, membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Los Angeles, Califórnia, que, por volta de 1929, “considerava-se um mensageiro de Deus divinamente inspirado.” Victor T. Houteff, a seguir, fundou o movimento A Vara do Pastor. Na década de 1950 houve uma mulher que em uma das divisões estrangeiras, sendo espiritualista, foi trazida pelas visões para a Igreja Adventista do Sétimo Dia . Nos últimos tempos, a Igreja na Alemanha nos apresentou um caso muito chocante e único em que cerca de quatro jovens, entre as idades de 19 e 36 anos, antes de seu batismo e aparentemente nada sabendo sobre a Igreja Adventista do Sétimo Dia prévio a sua primeira revelação em 5 de março de 1966, tiveram a mesma visão. Depois disso, foram seguidos por outras visões. No ano seguinte, de 5 a 14 de abril, os quatro jovens, conhecidos como os quatro de Hamburg, visitaram a Conferência Geral e se reuniram com um Comitê Executivo nomeado pela Conferência Geral para recebê-los, ouvi-los e fazer algumas recomendações. Muito mais recentemente, no final do século passado, na década de 1980, e no início do novo século, sendo específico para este último, em meados da primeira década deste (2005), respectivamente, Jeanine Sautron , membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia de St. Julien, na França, e Ernie Knoll membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia da Califórnia, como seus antecessores da antiguidade declararam o mesmo privilégio no dom concedido pelo céu, e atraíram alguns seguidores, no entendimento de que o dom da profecia havia sido manifestado neles. No entanto, cada um desses personagens, de uma forma ou de outra foram descartados como legítimos herdeiros do dom de profecia concedido por Deus, do ponto de vista da comprovação bíblica para o estabelecimento de um profeta . No entanto, dentro de toda essa trajetória fracassada na legitimação do dom profético, dois casos muito mais recentes merecem ser tratados e colocados em outra linha, à parte, e necessitam de nossa mais estimada atenção. O primeiro caso é o de Soophaphone Sirivongsack (Soo), uma mulher de Laos que, no início do século XXI, alegou ter sido visitado por um anjo do céu que teve contato com ela em várias ocasiões, levou-a para a Igreja Adventista do Sétimo Dia e comunicou várias mensagens a ela . O segundo caso é referido a nós por Tim Poirier, um Associado do White Estate, na Conferência Geral, nos seguintes termos: “Há cerca de cinco anos, outra mulher visitou nossos escritórios alegando ter sonhos proféticos. Eu não quero dizer seu nome, porque eu não sei quão pública ela se tornou com suas declarações. Quando paramos, e olhamos para este caso, mais que uma pessoa pode se perguntar por que tanto Tim Poirier quanto o autor deste documento colocam esses dois casos em uma categoria separada. A razão é muito simples e significativa, e é que ambos foram e são pessoas muito sinceras e no caso do primeiro, não atraindo atenção para sua pessoa, depois de comunicar fielmente a mensagem que foi comunicada pelo anjo de Deus, desapareceu da imagem pública sem deixar rasto . Este último caso parece trazer um dom profético para um particular momento histórico em que é excluído da tendência de transformá-lo em ministério, sendo isto, parece, de acordo com a visão de Ellen White, como expressada perto de sua morte.

O século XXI, por causa da precisão que oferece em evidências históricas à materialização inicial da Parousia, parece trazer uma falsificação em muitas frentes, não sendo o sinal identificador do remanescente histórico do tempo do fim (o dom profético) uma exceção. De fato, para uma Igreja que tem um começo (Apocalipse 10: 8-11), um desenvolvimento (Apocalipse 12: 15-17) e um fim profético (Apocalipse 18: 1-3) e que logo após seu surgimento como um movimento , validou a presença de um profeta em seu meio (Apocalipse 12:17 e 19:10) e a crença de possuir uma mensagem profética (Apocalipse 14: 6-13) para ser compartilhada e proclamada ao mundo não torna difícil o desejo de um profeta (Provérbios 29:18) pela coesão que considera tão imperativa para o cumprimento de sua missão. Assim, o solo fértil do novo século, a partir de 2017, trouxe consigo e com grande força o surgimento do que alguns chamam de “um novo profeta”. Em 9 de abril de 2017, muitos ao redor do mundo ouviram com a força da voz original de sua portadora e o alcance da globalização fornecido pela Internet, uma mensagem de advertência aos membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia na pessoa da Sra. Daisy Escalante. Esta mensagem, em pequeno tempo, circulou o mundo, trazendo consigo uma série de reações divergentes. Foi assim que, o mundo Adventista hispânico e incluindo o americano, logo começaram a prestar atenção a uma mulher que parecia falar em nome de Deus e que residia em uma pequena ilha: Porto Rico. Naquela época, mais de uma pessoa se perguntou: ” estaremos diante de um novo profeta para a Igreja Adventista do Sétimo Dia? Será um dom legítimo? Ou estará repetindo o mesmo padrão de contemporâneos e muitos dos sucessores de Ellen White?”

Limite, Alcance e Propósito

O seguinte trabalho não pretende ser um trabalho exaustivo sobre Daisy Escalante, seu ministério, sua pessoa ou suas mensagens, mas sim um trabalho que sirva para analisar amplamente e à luz das Escrituras, o dom profético que alguns atribuem a ela, bem como como orientar os membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia sobre a legitimidade do dom profético que alguns reivindicam ter manifestado em sua pessoa. Este trabalho obtém o objetivo de reiniciar e motivar o poder de levar ao seu fim o processo de escrutínio que a Conferência de Porto Rico Oriental iniciou em relação a este caso e que levou este campo e todos os outros que formam a União Porto-riquenha a proibir a pessoa de Daisy Escalante de seus púlpitos . Neste ponto, é importante enfatizar que, através desta análise, não procuramos criticar essa pessoa, nem tentar questionar a sinceridade cristã que a acompanha em muitos de seus deveres, nem o ministério que ela desempenha em muitas outras áreas, mas sim, trazer orientação baseada na Bíblia e no Espírito de Profecia sobre a legitimidade das mensagens pela sua consistência ao teste dos profetas, porque as Sagradas Escrituras impõem a todo portador da verdade a peremptória tarefa de assegurar que ele trace bem a palavra da verdade e que, para evitar ser enganado, o que quer que seja considerado a legítima Palavra de Deus é realmente a verdadeira Palavra de Deus. Neste momento o estudo que estamos propondo se torna necessário.

É importante enfatizar que o dever de todo cristão, em um nível individual, como estabelecido pela Escritura, consiste em “testar os espíritos se eles são de Deus”, uma vez que “muitos falsos profetas saíram ao mundo” (1 João 4: 1). Deus nunca impôs ao ser humano o dever de zombar, rir ou destruir a dignidade ou a pessoa que, em sua percepção subjetiva, acredita estar tendo um contato espiritual especial com Deus que, como o receptor entende, capacita-o com uma manifestação de um poder externo sobrenatural. Não é esta nossa função, nosso dever consiste em testá-los à luz da Sua Palavra. Muito acima de mostrar desprezo pela pessoa que tem uma experiência incomum dentro de sua caminhada cristã, o desejo de Deus, como manifestado no tratamento que o apóstolo Paulo dá a manifestação do suposto dom de línguas dado na Igreja de Corinto, estipula o respeito pela experiência de êxtase espiritual subjetiva ou objetiva vista no crente (1 Coríntios 13: 26,27). Este respeito pela dignidade do ser humano por trás da experiência é visto no regulamento, sem julgamento e questionamento moral, da expressão pública que manifesta o receptor da experiência espiritual (1 Coríntios 14:39) e que o apóstolo reivindica para o suposto receptor do dom do Espírito Santo. Além disso, o respeito e a dignidade são claramente percebidos pelo uso prolífico que o apóstolo utiliza do adjetivo “todos”, através do qual parece implicar autoconsciência, julgamento e tolerância recíproca entre os membros de Corinto pelo dom manifestado nesta igreja. Esta inclusão e aceitação do membro em êxtases é recomendada desde que esteja sob o parâmetro seguro de ordem e benefício da coletividade (1 Coríntios 14: 29-31; 40). Por outro lado, o dever do coletivo de líderes é alimentar ou manter vivo o sentimento em tudo que diz respeito ao espiritual, em um contexto de cultura e educação corretas (1 Pedro 5: 1-4). E é precisamente este último sentimento, no contexto do preceito, que nesta hora nos movemos para aplicar o critério mais seguro estabelecido pelo próprio Deus, ao julgar o dom profético.

Os testes bíblicos para avaliar o dom profético

As Sagradas Escrituras nos apresentaram quatro testes a serem aplicados à pessoa a quem o dom profético é atribuído. Elas podem ser resumidas nos seguintes termos: A prova de predições cumpridas (Jeremias 28: 9); harmonia com a Bíblia (Isaías 8:20), a prova do jardim, isto é, dos frutos (Mateus 7: 15-20) e o testemunho inequívoco sobre a natureza divino-humana de Jesus Cristo (1 João 4: 1-3). Em seguida, aplicaremos cada uma dessas provas bíblicas ao dom profético manifestado na Irmã Daisy Escalante e que nos foram legados em evidência falada através de algumas mensagens que circularam na Internet. Devido à grande quantidade de vídeos e áudios que foram divulgados sobre suas mensagens, este estudo, que não pretende ser exaustivo, utilizará apenas alguns que, como amostras, nos apresentarão diretrizes e tendências bem claras que, em luz da evidência estabelecida pelas Sagradas Escrituras, lançará luz sobre a legitimidade ou ilegitimidade do dom profético manifestado na Irmã Daisy Escalante.

O primeiro teste de predições cumpridas, no contexto da Irmã Daisy Escalante, possui por um lado uma profecia com uma interpretação subjetiva e por outro lado, outra profecia com uma materialização prospectiva. O primeiro testemunho de Daisy Escalante é aquele que apresenta a profecia com uma interpretação subjetiva. No primeiro testemunho publicado Daisy diz: “Muitas vezes ele repetiu para mim: eu estou a um minuto de distância, a um minuto de tirar minhas roupas sacerdotais e vestir as vestes de Rei dos reis e Senhor dos senhores.” Se esta expressão é de caráter profético, com base no princípio do dia por ano, este minuto seria profeticamente equivalente a 5 ou 6 horas, o que teria provocado há muito tempo a segunda vinda de Cristo a esta terra. A alocação de 10 de janeiro de 2018, intitulada “Explicação”, é a que nos apresenta a profecia com uma materialização prospectiva. Nesta alocação, ela alude ao fato de que Deus mostrou a ela um padrão e que o anjo lhe disse que no sábado, 13 de abril de 2019 era o sábado do Senhor. Em sua mensagem, Daisy prossegue dizendo: “Não a perca, não perca esse padrão porque, tanto em 2018 quanto em 2019, tanto o calendário judaico quanto o calendário gregoriano vão se unir, porque de outra forma não poderia haver uma lei dominical eminente para o mundo inteiro. Esta declaração foi interpretada por alguns como uma alusão direta ao fato de que, nessa data, a lei dominical deve ser assinada e por mais de uma, como esta que subscreve, como uma data importante que deve demarcar algum evento importante que envolva, como talvez nenhum outro, uma infraestrutura que abre caminho para a implementação de uma lei dominical. De fato, esta profecia é enquadrada no contexto de uma “profecia numérica” de três anos e meio que o visionário obtém por analogia entre o incidente histórico passado da colocação das bandeiras romanas na frente de Jerusalém por Céstio Galo e seu retorno para Jerusalém três anos e meio depois, no ano 70. Em sua analogia, a visita do Papa Francisco aos Estados Unidos em 23 de setembro de 2015 marca o início desses três anos e meio, o que leva à data de sábado, 13 de abril de 2019 . Se esta data é interpretada como uma referência direta à data em que a lei dominical é implementada ou ocorre algum incidente importante que prepara a infra-estrutura para isso, no momento em que este texto foi escrito, aproximou-se e propôs-nos, pelo evento profético preditivo e histórico proposto, uma das principais evidências que, como prova confiável, validaria o legítimo dom profético manifestado em Daisy Escalante ou o descartaria na legitimidade desse dom (Deuteronômio 18: 22). Atualmente, ao oferecer uma atualização deste escrito, não encontramos nenhuma evidência tanto da assinatura de uma lei dominical, quanto da ocorrência de qualquer evento histórico significativo para o avanço da lei dominical tanto nos Estados Unidos quanto na Comunidade Européia, que pode ser rastreada e datada da data de sábado, 13 de abril de 2019 . Isto encontra seu maior apoio não só na busca geral que o leitor pode fazer do que constituiu as principais notícias que ocorreram no sábado 13 de abril de 2019 e o que a mídia principal e secundária anunciaram, mas na corroboração das informações oferecidas por duas das principais páginas da Internet que revelam informações oficiais dos avanços nos processos de implementação do domingo como um dia de descanso por motivos religiosos tanto nos Estados Unidos como na Europa . O estabelecimento de uma data ou profecias que os apoiem, parece ser sempre um sinal de grande convicção e que fundamenta em muitos o conceito da verdadeira recepção e validação do dom profético. No entanto, somos admoestados a não confiar em qualquer pessoa que, com cronogramas de tempo, estabeleça uma data para as promessas de significado especial que Deus nos deu , porque quando isso é feito, as almas são levadas a falsos caminhos que minam sua fé e causam perda eterna. Além disso, é uma das melhores estratégias de Satanás, em vez de avançar a mensagem do Terceiro Anjo, realmente atrasar seu progresso na preparação de um povo para encontrar Jesus em paz.

A segunda prova é que as mensagens proféticas do vidente devem estar em harmonia com a Bíblia e sua mensagem. Isso nos apresenta um grande desafio no contexto das mensagens de Daisy Escalante. Isto porque suas mensagens parecem ter uma referência com o Espírito de Profecia mais do que com a Bíblia . Um escrutínio de suas mensagens, realizado objetivamente, tornará difícil encontrar, mesmo na forma de um traço escasso, uma referência às Sagradas Escrituras, suas imagens ou mensagens; o que torna impossível encontrar concordância e harmonia com a Bíblia e sua mensagem, quando tentamos aplicar essa segunda regra. No entanto, como é característico das mensagens de outro vidente supostamente contemporâneo, algumas dessas mensagens parecem ter uma maior concordância com o Espírito de Profecia . Porque o mesmo Espírito que inspirou os profetas canônicos é o mesmo Espírito que inspira os profetas não-canônicos e pós-bíblicos, e como, sendo o mesmo, é impossível que haja alguma contradição entre suas mensagens, podemos também, por causa da limitação referida acima, observar a concordância das mensagens de Daisy Escalante com o que é a mesma fonte primordial em comparação, que ela mesma usa: os escritos de Ellen White. Ao realizar tal análise com base no Espírito de Profecia, descobriremos que em sua mensagem ela mistura a verdade com o erro (Gênesis 3: 1-5) . A linha profética seguida por Daisy Escalante e que ela afirma ter recebido de Deus possui uma série de críticas à Igreja Adventista do Sétimo Dia que parecem contradizer a direção que o próprio Deus estabelece através do coletivo de seus representantes. Pois nos tópicos de acreditação de instituições educacionais e atividades voltadas para adolescentes e jovens no ministério de Desbravadores, Aventureiros e cadetes , parece haver uma lacuna entre a vontade e a mensagem de Deus dada ao coletivo (A Igreja Adventista do Sétimo Dia) e o que agora é dado a Daisy Escalante.

O terceiro teste, o chamado teste do pomar, que leva em conta os frutos, pode bem ter duas fontes primárias de foco na análise de Daisy Escalante. Por um lado, esse teste pode ter uma dimensão eclesiológica em quais são os frutos no campo teológico no contexto da igreja que recebe suas mensagens e, por outro lado, pode muito bem ter uma dimensão social naquilo que constitui os frutos no âmbito de vida pessoal e espiritual do profeta e seu impacto sobre daqueles que o rodeiam. A dimensão eclesiológica no âmbito de um dos dons do Espírito, como o dom profético, tem por natureza em seu centro a comunicação e a mensagem do Espírito, composta pelo ensinamento, lembrança, verdade e revelação do futuro (João 14:26; 16:13). E assim como a recepção da manifestação do Espírito possuiu uma unidade sem precedentes (Atos 2: 1-5) e se manifestou em conformidade depois disso (Atos 2:42, 44-45, 46-47) e se recomenda as igrejas através dos séculos para “manter a unidade do Espírito no vínculo da paz” (Efésios 4: 3) de tal maneira que naquele Espírito há apenas um corpo (Efésios 4: 4), da mesma forma a pessoa que recebe O Espírito de Profecia deve, através de suas mensagens, prover tal unidade. Isso nos leva a ver que os frutos do dom da profecia em sua dimensão eclesiológica, isto é, no nível da igreja coletiva, não devem ser a destruição do corpo de Cristo, nem a fragmentação ou a desunião da fé. O fato de que Daisy Escalante, em várias de suas mensagens, indiretamente promove a separação física da Igreja Adventista do Sétimo Dia e acredita que ela caiu de seu trono espiritual, a ponto de aplicar a designação de adultério espiritual , parece indicar frutos contrários à obra do Espírito Santo quando se manifesta em um profeta e sua mensagem. O fato de que a linha temática que é percebida em muitos de seus “testemunhos” possui e semeia no ouvinte as sementes do antagonismo e da separação dos líderes e da Igreja, respectivamente, poderíamos chamar os frutos, no campo teológico em geral, com sua dimensão eclesiológica, como não consonante com o que é esperado pelo teste do jardim.

As Escrituras não apenas reconhecem essa verdade implicitamente no contexto do portador do dom profético afirmando que “justo não há um ” (Romanos 3:10), mas o faz de forma explicita quando, falando a nós da realidade humana o profeta Elias nos é dito que ele era um homem “sujeito a paixões semelhantes às nossas” (Tiago 5:17). Isso nos leva então a ver que o teste do jardim, no âmbito da vida espiritual e pessoal do profeta, e seu impacto ao seu redor deve ser caracterizado pelo fruto do Espírito e não pelas obras da carne (Gálatas 5: 19-23). É interessante notar que o teste do jardim, em sua dimensão social, para o que é a vida espiritual e pessoal da irmã Daisy Escalante, e seu impacto sobre aqueles que a rodeiam em seu ambiente, parece correr ao longo de outra linha totalmente oposta. Esse aspecto pode ser confirmado através do testemunho de quem a conhece e esteve perto dela, seja por causa de vínculos familiares que unem a ela ou porque, no exercício de funções eclesiásticas próximas, foi dada a tarefa de ministra-la . As pessoas próximas à Irmã Daisy Escalante, além disso, nos oferecem uma imagem em que enfatizam sua dedicação ao trabalho através dos dons da música e da pregação, bem como a paixão pelo trabalho médico missionário, através do qual enfatizam o tratamento primordial que ela dá para as pessoas com quem ela trabalha. Numa percepção muito particular de sua pessoa, uma das entrevistadas afirmou que, nela se destaca a qualidade de não querer atrair a atenção para si mesma e poder passar facilmente despercebida por quem não a conhece, sem que isso seja um problema para ela . Por outro lado, outra das entrevistadas reafirma o apreço que Daisy demonstra pelo ministério médico-missionário e enfatiza seu desejo de compartilhar com outras pessoas o Evangelho, onde destaca o respeito e o bom tratamento para com seus companheiros . Mas, talvez, dois dos frutos mais marcantes da sua pessoa nos sejam dados por quem, como pastor, chegou a ministra-la e que, após a exposição pelas redes sociais de suas mensagens, conseguiu dialogar com ela sobre isso. O primeiro deles tem seu contexto no que constitui o diálogo sobre a difusão de suas mensagens e sua reação que mais de um pode perceber como uma confronta direta. Neste contexto, a Irmã Daisy Escalante “nunca se tornou relutante, nem negativa, mas passivamente disse que Deus havia revelado sonhos para ela”. O segundo é enquadrado no contexto de seu relacionamento com seus vizinhos e membros da igreja. Neste ambiente, seu relacionamento foi descrito como muito bom, onde ninguém se queixou dela.

O quarto e último teste, o testemunho inequívoco da natureza divino-humana de Jesus Cristo, também nos apresenta um grande desafio à luz das mensagens apresentadas por Daisy Escalante. Este teste foi muito bem delineado no que implica por meio de um resumo que leva em adição ao que está implícito no contexto bíblico e através de uma pergunta. O teste na verdade implica “toda a verdade sobre por que Jesus veio, porque Ele se tornou nosso Salvador e Exemplo, porque Ele morreu e agora serve como nosso Sumo Sacerdote: tudo isso está implícito neste teste de um genuíno profeta.” Em uma questão, o conceito por trás deste teste pode ser satisfeito com a resposta para a próxima pergunta: O profeta ensina toda a verdade sobre o propósito da vinda de Cristo “na carne”? Quando confrontarmos as mensagens de Daisy Escalante com a implicação por trás deste quarto e último teste, uma vez que envolve toda a verdade sobre o propósito da vinda de Cristo na carne, teríamos que reconhecer que nos falta informação suficiente para chegar a uma conclusão afirmativa ou negativa categórica quanto ao seu cumprimento. Contudo, nas mensagens apresentadas, não parece haver uma negação da pessoa do Pai, do Filho ou do Espírito Santo.

Conclusão

A manifestação do dom profético que continuará operando para o benefício de Seu povo até a vinda de Cristo, possui no contexto do tempo do fim e do remanescente histórico, visto que este dom é um sinal identificador deste último, uma estratégia de falsificação por Satanás. Isso ocorre porque sua introdução e aceitação por parte do remanescente não só pode trazer perdas para a eternidade entre os membros que o compõem, mas levá-lo a anular o avanço da mensagem e assim retardar a preparação do povo de Deus para a Segunda Vinda de Cristo. Daí a importância de testar os profetas e assegurar que aqueles que se validaram como legítimos e com mensagens de marca divina possam ter livre acesso e disseminação entre o povo de Deus e alcançar o fim da edificação da igreja.

O presente estudo demonstrou com evidência histórica que entre os séculos XIX e XX, no contexto da Igreja Adventista do Sétimo Dia, mais de 20 supostos videntes surgiram com mensagens de Deus. Atualmente, a grande maioria deles foi descartada como possuidores do verdadeiro e legítimo dom profético de Deus. Uma das mais recentes é uma jovem de Porto Rico chamada Daisy Escalante que, a partir de 2017, começou a transmitir, principalmente através da plataforma do Youtube, uma série de mensagens que logo circularam pelo mundo e trouxeram consigo uma série de reações divergentes. Com o propósito de determinar a legitimidade com a marca divina do dom que Daisy Escalante supostamente possui e sem a intenção de criticar sua pessoa, nem em uma tentativa de questionar a sinceridade cristã que a acompanha em muitas de suas necessidades, bem como ministérios que ela atualmente realiza em muitas outras áreas, foi realizado através do presente estudo um processo de avaliação e escrutínio, com base nos quatro critérios que as Escrituras Sagradas estabelecem como princípios orientadores para a avaliação de um profeta e a determinação e validação final deste um como verdadeiro ou falso profeta.

A aplicação do primeiro teste, o das previsões cumpridas, levou-nos a uma profecia numérica apontando para 13 de abril de 2019 e não tendo sido verificado o claro cumprimento, não apresenta uma prova competente e suficiente de que o dom profético se manifestou em Daisy Escalante. A aplicação do segundo teste, concordância e harmonia com a Bíblia e sua mensagem, pela limitação de um conteúdo baseado mais no Espírito de Profecia do que na Bíblia, nos levou a ver a palavra de Deus inspirada pelo Espírito Santo através do Espírito de Profecia. Este estudo nos levou a encontrar mensagens divergentes e contraditórias entre o que é expressado pelo Espírito de Profecia e Daisy Escalante nos temas de acreditação de instituições educacionais e atividades voltadas a adolescentes e jovens no ministério de Desbravadores, Aventureiros e Cadetes. O terceiro teste, o chamado teste de jardim, focalizou duas dimensões: a dimensão eclesiológica com ênfase em suas mensagens e seus impactos e frutos na igreja, e a dimensão social, com ênfase no que constitui os frutos de sua vida espiritual e seu impacto no alcance daqueles em que a rodeiam. A primeira dimensão, a eclesiológica, mostrou deficiências ao aplicar a Igreja Adventista do Sétimo Dia às designações de adultério espiritual e mostrou uma demarcação distinta ao favorecer indiretamente a separação física desta mesma Igreja. O fato de uma linha temática em muitos de seus “testemunhos” possuem e semeiam no ouvinte a semente do antagonismo e da separação da Igreja e de seus líderes, isso nos levou a ver um impasse no teste do jardim do campo eclesiológico. A dimensão social, por outro lado, forneceu uma linha absolutamente oposta, uma vez que os frutos de sua vida no âmbito espiritual e seu impacto e alcance sobre aqueles ao seu redor, foi verificado por três pessoas como uma cristã genuína que possui os frutos do Espírito. O quarto e último teste, o testemunho inequívoco sobre a natureza divino-humana de Jesus Cristo, apresentou um grande desafio, devido à pouca informação sobre a pessoa de Deus que encontramos em suas mensagens. No entanto, foi apontado que não encontramos, até o presente, uma negação da pessoa do Pai, nem do Filho, nem do Espírito Santo, nem descobrimos que ela distorceu a pessoa de Deus através de alguma apostasia grosseira.

A presente análise nos leva, pelo peso da evidência obtida dos quatro testes bíblicos, quando elas se aplicam ao ministério e partem das apresentações que Daisy Escalante fez, para observar algumas inconsistências com a unidade e integridade a mensagem inspirada dirigida pelo Espírito Santo. Esta linha foi confirmada de forma clara e contundente, pela passagem do tempo e pela rejeição que o mesmo fornece para os testes. A posição do Centro de Pesquisa do Patrimônio White e Adventista de Porto Rico, no presente, devido à análise realizada, as mensagens da Sra. Daisy Escalante não vêm de Deus.

Pr. Pedro Luis Cortés Jr. Ph.D.

Diretor do Centro de Pesquisa White e Patrimônio Adventista de Puerto Rico

Tradução: Ellen Deó Bortolotte