Traí meu cônjuge, e agora?

“Embora o perdão divino não garanta a reconciliação de um casal, o verdadeiro arrependimento e confissão a Deus é o caminho para a restauração do casamento.”

A traição e adultério são muito nocivos para o casamento e para a família. De forma direta este é um pecado contra Deus, contra a esposa, contra os filhos (quando há filhos), contra a família e contra a sociedade. No que se refere à relação com Deus, o caminho é o arrependimento e a confissão do pecado a Deus, pois somente Ele pode perdoar. A promessa divina é verdadeira!

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. […] Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; “  (1 João 1:9; 2:1).

Ressaltamos que o verdadeiro arrependimento envolve tristeza pelo pecado cometido e abandono do mesmo. É somente a bondade de Deus que pode levar o pecador ao arrependimento (Romanos 2:4). Sendo assim, o pecador deve recorrer a Cristo e ter a certeza de que não será rejeitado, conforme disse Jesus: “O que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora” (João 6:37); “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28). Estas são promessas de aceitação da parte de Deus que nos encorajam a buscar conforto e cura para as feridas do pecado e da culpa.

Em relação ao cônjuge, pode surgir a dúvida se deve ou não contar o que aconteceu. É prudente considerar os seguintes pontos:

♦ A mentira nunca dura para sempre;

♦ “Quem esconde os seus pecados não prospera, mas quem os confessa e os abandona encontra misericórdia” (Provérbios 28:13);

♦ Deus promete amparar a pessoa ferida e arrependida pelos erros que cometeu (Salmos 37:23-25; Isaías 55:7);

♦ O ofensor arrependido recebe a graça de Cristo, é perdoado e habilitado a viver de modo diferente em harmonia com a vontade divina.

♦ “Se alguém está em Cristo, é nova criatura” (2 Coríntios 5:17);

“Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio” (Gálatas 5:22);

♦ Não há garantia de que a parte ofendida irá perdoar o ofensor;

♦ Deus promete conceder sabedoria a todo aquele que pede com fé (Tiago 1:5, 6);

Esta é uma questão que precisa ser dirigida por Deus, pois não existe uma resposta pronta. Só o Espírito Santo pode revelar o “quando”, o “como” e o “que”se deve falar. Aconteça o que acontecer, a disciplina do Senhor ajuda a amadurecer espiritualmente e a não cometer os mesmos erros. Por isso, o conselho de Paulo é vital: “Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder” (Efésios 6:10).

Embora o perdão divino não garanta a reconciliação de um casal, o verdadeiro arrependimento e confissão a Deus é o caminho para a restauração do casamento. Ao buscar a Deus diariamente, através de Sua Palavra e da oração, é possível encontrar perdão, paz, conforto e esperança.

“Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, […] a ele seja a glória […] por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!” (Efésios 3:20).

Fonte: Biblia.com.br