No novo testamento a igreja está isenta do dízimo?

˜Aqui Paulo traça um paralelo entre os levitas do Antigo Testamento e os obreiros do Novo Testamento, e implicitamente endossa a prática do dízimo.˜

Alguns teólogos dizem: “o Antigo Testamento foi abolido”. Mas então porque eles continuam pregando sobre a importância de devolver o dízimo?

Há muita incoerência em afirmar também que a guarda do sábado foi abolida. É incoerente o argumento de muitos autores a respeito deste assunto, pois eles pegam o que lhes convém no Antigo Testamento (caso do dízimo) e lançam fora o que não lhes convém (a guarda do sábado). Ora, como vamos aceitar um ensinamento e rejeitar outro, sendo que ambos estão unidos? Lembre-se: “a adoração e a devolução do dízimo estão ligados um ao outro”.

Muitos dizem que o mandamento do sábado não foi repetido no Antigo Testamento; mas uma ordem de devolver o dízimo também não o foi; assim como o dízimo, a guarda do sábado foi “confirmada” no novo testamento; não foram repetidos por que não havia necessidade, pois as pessoas da época seguiam muito bem estas instruções (lembrando de que a guarda do sábado é mencionada no Novo Testamento).

Se tivéssemos de abolir a guarda do sábado porque este mandamento não foi repetido de modo “direto” (foi repetido “indiretamente” através do exemplo de Jesus e sua mãe Maria, e dos apóstolos), também teríamos de abolir em todas as igrejas evangélicas o ato de devolver o dízimo.

Devolução do dízimo e adoração a Deus no sábado estão ligados em um mesmo princípio.

Base Teológica para o Dízimo – Novo Testamento.

No N.T. não existe uma passagem Bíblica que mande devolver o dízimo; mas há passagens que confirmam. Não há nada no N.T. que rejeite a prática do dízimo. Como vimos anteriormente, não foi preciso repetir de modo direto este mandamento porque era uma prática tão comum que não necessitava de lembrar as pessoas (assim como a guarda do sábado). Como “não existe adoração sem oferta”, não foi preciso repetir.

Alguns textos que mencionam o dízimo no Novo Testamento:

A. HEBREUS 7:1-10.
Neste texto há a menção do dízimo, mostrando que o apóstolo sabia sobre o assunto.
“Existe uma continuidade sabática de dízimo no Novo Testamento”.
Devemos adorar a Deus no dia que Ele escolheu e devolver aquilo que Ele pediu.

B. Lucas 18:12: “Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho”.
Neste contexto, Jesus condenou a justiça própria dos fariseus e não o ato de devolver o dízimo. Os fariseus usavam o dízimo como meio de adquirir a misericórdia de Deus.

C. Mateus 23:23 – Lucas 11:42.
“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas!” (Mateus 23:23).

“Mas ai de vós, fariseus! Porque dais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as hortaliças e desprezais a justiça e o amor de Deus; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas” (Lucas 11:42).

Jesus não disse aos fariseus para não dar o dízimo; Ele disse que eles deveriam “fazer estas coisas sem omitir aquelas”, praticar a justiça, a misericórdia e a fé juntamente com devolução do dízimo”.
Jesus de modo claro confirmou a validade da prática de devolver o dízimo. Esta prática só terá valor se exercermos um bom caráter e nos lembrarmos de ajudar aos órfãos e necessitados. Devolver o dízimo sem demonstrar misericórdia para com o semelhante não é frutífero para a vida do cristão.

D. 1 Coríntios 9:13-14.
“Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar do altar tira o seu sustento? Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho” (1 Coríntios 9:13-14).

Aqui Paulo traça um paralelo entre os levitas do Antigo Testamento e os obreiros do Novo Testamento, e implicitamente endossa a prática do dízimo. O Dízimo é designado por Deus para a pregação do evangelho. Se não fosse o sistema de dízimos, não teríamos pastores e obreiros de dedicação exclusiva à pregação do evangelho, presidindo e conduzindo a igreja a cumprir a missão deixada por Cristo de ir e pregar o evangelho a toda gente, de todas as nações, tribos e línguas (Mateus 28:19, 20). É graças ao sistema de dízimos que a igreja adventista pode fornecer cursos Bíblicos gratuitos às pessoas e outros materiais. Muitos não teriam conhecido as boas novas da salvação se não fosse o ato liberal e desprendido dos irmãos em separar o dízimo. Jesus nunca condenou o dízimo, mas o seu mau uso.

Fonte: Biblia.com.br