É pecado sacrificar um animal de estimação que está com alguma doença terminal?

“O homem recebeu de Deus a responsabilidade de cuidar dos animais. A decisão de sacrificar um animal de estimação é realmente difícil. O que deve ser analisado antes de tomar essa decisão? Leia este artigo.” 

“Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais grandes de toda a terra e sobre todos os pequenos animais que se movem rente ao chão” (Gênesis 1:26).

“O justo tem consideração pela vida dos seus animais, mas as afeições dos ímpios são cruéis” (Provérbios 12:10). “Se você encontrar perdido o boi ou o jumento que pertence ao seu inimigo, leve-o de volta a ele. Se você vir o jumento de alguém que o odeia caído sob o peso de sua carga, não o abandone, procure ajudá-lo” (Êxodo 23:4,5).

O homem recebeu de Deus a responsabilidade de cuidar dos animais. A decisão de sacrificar um animal de estimação é realmente difícil, e o melhor a fazer é considerar a orientação de um veterinário e avaliar o que representaria o melhor para aliviar o sofrimento do bichinho. Segundo a Declaração Universal Dos Direitos Dos Animais, artigo 3, estabelece-se que:

a) Nenhum animal será submetido a maus tratos e a atos cruéis.
b) Se a morte de um animal é necessária, ela deve ser instantânea, sem dor ou angústia.

“Aquele que ama a Deus, não somente amará o seu semelhante, mas considerará com terna compaixão as criaturas que Deus fez. Quando o Espírito de Deus está no homem, leva-o a aliviar o sofrimento antes que a criá-lo.” — The Review and Herald, 1 de Janeiro de 1895.

Fonte: Biblia.com.br