Como falar para as crianças sobre drogas

“As drogas estão inseridas em todos os ambientes – escola pública, escola particular, cursos extracurriculares, academias, clubes, que são locais onde nossos filhos frequentam ou muito em breve frequentarão. Por isto é preciso saber como falar com as crianças sobre este assunto.”

Dra. Thais Souza
Psicóloga

As drogas estão inseridas em todos os ambientes – escola pública, escola particular, cursos extracurriculares, academias, clubes, que são locais onde nossos filhos frequentam ou muito em breve frequentarão. No entanto, é difícil falar sobre um assunto que a criança ainda não entrou em contato e não conhece na realidade dela. Para isso, o ideal é que os pais insiram na conversa elementos que sejam mais próximos da realidade da criança para que ela entenda o recado.

No caso de falar sobre drogas, os pais podem começar a conversa falando sobre o quanto faz mal o uso de substâncias químicas que ela conheça por já ter visto, como: o uso do cigarro e da bebida alcoólica (que são drogas lícitas), e produtos de uso diário como remédios, produtos de limpeza e outras substâncias que não devem ser ingeridas. Assim, será mais fácil da criança entender o que você está querendo dizer com “drogas”. Depois de dar esta introdução, você pode falar que, além destas drogas que ela conhece, há outros tipos que ela não conhece e que também fazem muito mal.

Se a criança está entrando para a escola ou se já está na escola, é mais fundamental ainda que os pais tenham esta conversa com a criança, porque hoje em dia nas escolas as crianças têm feito uso de outros tipos de substâncias, mais até do que a maconha e a cocaína, que são bem mais simples como: acetona, esmalte, éter, e até mesmo o “corretor branquinho” que está no próprio estojo das crianças. Portanto, o seu filho deve ser orientado a não imitar alguns comportamentos que amigos da escola ou do condomínio ou do bairro poderão ter de ficar cheirando por um longo tempo essas substâncias explicando o motivo de isto não poder ser feito: desde dores muito fortes de cabeça, vômitos, confusão mental, perda do autocontrole, surtos, falta de coordenação motora até o coma e a morte.

Os pais devem ter cuidado muito especial com o exemplo deles mesmos. Pode ser que não usem as drogas ilícitas como a cocaína, o crack, a maconha, mas pode ser que fumem, que cheguem em casa estafados e peguem uma “cervejinha” para “relaxar”, ou que tomem um remedinho para dormir e ficarem mais tranquilos, ou até mesmo há muitas mães fazendo uso de anfetaminas para emagrecerem e suas filhas acabam sendo estimuladas ao uso também. Os pais têm uma responsabilidade pelo exemplo que dão aos filhos. Dificilmente uma criança seguirá o conselho do pai ou da mãe se veem o pai e a mãe fazendo aquilo que orientaram aos filhos não fazerem.

É importante lembrar uma coisa: a orientação não é suficiente para evitar este envolvimento. Uma boa convivência familiar, amizade com os filhos, tempo juntos e muita conversa aumentará as chances de escolhas futuras saudáveis.

Fonte: Biblia.com.br